Retinopatia Diabética

O diabetes mellitus é uma das doenças metabólicas mais comuns na atualidade e é caracterizada por níveis sanguíneos de glicose (um tipo de açúcar) elevados por um tempo prolongado. Atualmente, estima-se que mais de 415 milhões de indivíduos sejam portadores de diabetes mellitus no mundo.

O diabetes ocorre por dois motivos principais: ou o pâncreas não produz insulina suficiente para captar a glicose do sangue ou os receptores das células do organismo não estão respondendo corretamente à insulina produzida (resistência à insulina).

Existem 3 tipos principais de diabetes, a saber:

- Diabetes mellitus (DM) tipo 1 – de causa desconhecida, é caracterizado pela produção insuficiente de insulina

- Diabetes mellitus (DM) tipo 2 – relacionado com sobrepeso e sedentarismo, é caracterizado pela resposta inadequada das células do organismo à insulina produzida

- Diabetes gestacional – quando grávidas, sem histórico prévio, desenvolvem altos níveis sanguíneos de glicose

 

Uma das complicações do diabetes mellitus é o desenvolvimento da retinopatia diabética, ou seja, o acometimento da retina (“fundo do olho”) pelo diabetes. Os níveis elevados de glicemia causam alterações de pequenos vasos sanguíneos na retina, chamados capilares, podendo haver pequenas obstruções do fluxo sanguíneo, bem como hemorragias e inchaço da retina, decorrente do vazamento de líquido para fora dos vasos.

Estima-se que, atualmente, haja cerca de 93 milhões de indivíduos portadores de retinopatia diabética no mundo.

 

Sintomas e Sinais

Em um primeiro momento, pode não haver dificuldade visual. Porém, com o tempo, sem o diagnóstico precoce, sem o tratamento adequado e sem o controle clínico do diabetes, pode haver perda visual, inclusive irreversível.

Os principais sintomas são: embaçamento visual; manchas no campo visual (móveis ou não); perda visual súbita e indolor; distorção no campo de visão central.

Externamente, o olho pode parecer normal. Internamente, podem ser observados: sangramentos; inchaços; crescimento de vasos anômalos e, no final da doença, descolamento de retina tracional.

 

Diagnóstico

O diagnóstico da retinopatia diabética é realizado por meio do exame do fundo de olho (ou fundoscopia ou mapeamento de retina). Pinga-se um colírio midriático, a fim de se obter a dilatação das pupilas. Vale ressaltar que este exame pode atrapalhar a visão, por isso é importante se programar no dia da avaliação e vir acompanhado.

Outros exames podem ser necessários para a programação do tratamento e/ou seguimento da doença, como exames de retinografia (foto do fundo olho); angiofluoresceinografia (exame contrastado da retina) e tomografia de coerência óptica (OCT).

 

Tratamento

O controle clínico da doença é fundamental. Sem o mesmo, a retinopatia diabética pode avançar, apesar dos tratamentos oftalmológicos.

Existem algumas modalidade de tratamento, como:

- laser

- injeções intravítreas (dentro do olho) de medicações (corticoide e/ou antiangiogênico)

- cirurgia (vitrectomia posterior)

 

Sou diabético (a). Quando devo fazer o exame do fundo do olho?

            No diabetes mellitus tipo 1, recomenda-se fazer o primeiro exame de fundoscopia após cerca de 5 anos do diagnóstico. Já no diabetes mellitus tipo 2, o primeiro fundo de olho deve ser realizado imediatamente após o diagnóstico. Já as mulheres que pretendem engravidar, idealmente, devem realizá-lo antes da gravidez ou no primeiro trimestre da gestação. Posteriormente, a frequência dos mapeamentos de retina deve ser recomendada pelo seu oftalmologista, mediante os achados dos exames.

 

Prevenção da perda visual secundária à retinopatia diabética

- Se você for portador de diabetes, converse com seu clínico geral ou endocrinologista a respeito do controle glicêmico. Os altos níveis de açúcar no sangue podem danificar os vasos retinianos e levar à perda visual irreversível.

- Se, além do diabetes mellitus, você for portador de hipertensão arterial sistêmica (pressão alta) ou problemas renais, atenção! Você tem mais chances de desenvolver retinopatia diabética.

- Visite seu oftalmologista regularmente! A retinopatia diabética pode ser diagnosticada antes mesmo do aparecimento dos sintomas visuais.

- Se você for diabético e apresentar alterações visuais em um ou ambos os olhos, procure seu oftalmologista imediatamente.

- Trate a retinopatia diabética o quanto antes. Esta é a melhor forma de prevenir a perda visual.

Dr. Marcelo Mendes Lavezzo (CRM 129.336) - Junho/17